Livros e Publicações Preste Atenção! Reportagens Especiais Caricaturas Parceiros Destaque Coberturas Entrevistas Lançamentos Home
ENTREVISTA: STEVE “ZETRO” SOUZA – HATRIOT

Postado 25 de julho de 2013 às 15:45

Share |

Eu raramente tenho que mudar para o ‘modo pai’ com eles.” (sobre tocar com seus filhos Cody e Nick) – Steve “Zetro” Souza

Por Luciano Piantonni & Silvia Curado

O vocalista americano Steve “Zetro” Souza irá completar 50 anos no ano que vem, e sua contribuição para a música extrema é incalculável, uma vez que ele surgiu no Legacy (e foi responsável por músicas que acabaram entrando mais tarde em seu clássico primeiro álbum, “Legacy”, lançado em 1987, quando a banda optou por mudar seu nome para Testament, logo após sua saída…) e integrou um dos maiores ícones do Thrash Metal mundial, o Exodus, onde ele fez história, com turnês bem sucedidas e álbuns como “Pleasures Of The Flesch” (1987), “Fabulous Disaster” (1989), “Impact Is Imminet” (1990), “Force Of Habit” (1992) e “Tempo Of The Damned” (2004).

Ao lado de Chuck Billy (e de inúmeros convidados), ele participa do projeto Dublin Death Patrol, que lançou os álbuns, “DDP 4 Life” (2007) e “Death Sentence” (2012). Ele também esteve no Tenet, banda que gravou “Sovereign” (2009P). E Steve ainda encontra tempo para um tributo ao AC/DC, que ele mantém desde 2009, chamado AC/DZ.

Em 2010, ele pegou os fãs de surpresa com o anúncio de uma nova banda, o Hatriot, onde ele integra ao lado de seus filhos, Cody Souza (baixo) e Nick Souza (bateria), além dos guitarristas, Kosta Varvatakis e Miguel Esparza.
O resultado disso causou um estrondo na cena, com o lançamento da demo auto intitulada, que trazia quatro canções ao melhor estilo Thrash Metal. E em janeiro desse ano, lançaram o maravilhoso debut, “Heroes Of Origin”, que vem sendo considerado um dos melhores lançamentos do ano por fãs e critica especializada.

Conversamos com Zetro, que com uma simpatia incrível, falou de tudo o que o cerca, desde o momento atual com o Hatriot, até seu passado glorioso no Thrash, o que fez desta entrevista um bate papo muito agradável.
Confira!

HARD AND HEAVY – Como foi a concepção do primeiro álbum do Hatriot, “Heroes Of Origin”?
STEVE “ZETRO” SOUZA:
Nós começamos a escrever as músicas por volta de 2010, e na verdade fizemos uma demo que deu origem a algumas das músicas que estão no álbum. A demo saiu no início de 2011, então estávamos trabalhando nessas músicas há cerca de dois anos. Com a repercussão da demo, conseguimos um contrato com a Massacre Records, e em seguida, entramos em estúdio (setembro de 2012), e “Heroes Of Origin” foi lançado em janeiro deste ano. Então foi um processo que demorou alguns anos.

HARD AND HEAVY – Como é tocar com os seus filhos? Eles te causam algum tipo de problema na estrada? (Risos) E como você faz para separar o paizão do colega de banda?
STEVE “ZETRO” SOUZA:
Não é tão complicado como as pessoas pensam. Meus meninos ambos cresceram em torno do negócio da música, então eles entendem como as coisas funcionam em uma banda. Eles têm visto o “bom e o mau”, e eles sabem que isso não é uma grande festa. Eles são muito maduros e dedicado à música. Eu raramente tenho que mudar para o modo ‘pai’ com eles. Nós somos muito bons amigos e são companheiros de banda da mesma maneira que eu sou companheiros de banda com os outros dois caras do Hatriot. Eles ficam sem favoritismo e sem nepotismo com isso (Risos)

HARD AND HEAVY – E o que dizer das músicas? Todos os membros participaram do processo de criação?
STEVE “ZETRO” SOUZA
: A fórmula de composição no Hatriot é simples. Meu guitarrista, Kosta Varvatakis, escreve e e organiza todos os riffs e músicas. Ele vem em prática com uma ideia concluída e nos passa sua visão. Dai ele ensina os riffs e as ideias para o resto da banda. Nessa hora cada um coloca seu próprio “toque”, dando uma cara diferente. Mas a maior parte foi Kosta quem escreveu antes da banda toda ter ouvido. Depois de trabalhar em cima de tudo, realizamos uma gravação, lapidando as partes, e aí eu levo isso para casa , para poder escrever as letras. Então, basicamente é Kosta quem escreve a música e eu escrevo as letras. Essa é a forma simplificada de se explicar.

HARD AND HEAVY – Como surgiu o nome da banda, a junção com as palavras “ódio” e “patriota”?
STEVE “ZETRO” SOUZA
: Sim, essa combinação de “ódio” e “patriota”. Tirei isso a partir da música do Exodus ‘Scar Spangled Banner”, onde eu digo na letra: “Eu não sou patriota, apenas um hatriot”. É aí que o nome se originou. Era uma palavra que soa atual e agressiva, desde os meus tempos no Exodus, então foi algo que casou muito bem.

HARD AND HEAVY – O Hatriot é basicamente o que você já vinha fazendo com o Exodus, aquele Thrash Metal empolgante e visceral. Qual tem sido a reação da crítica especializada? E sobre os fãs? Será que eles gostam do álbum?
STEVE “ZETRO” SOUZA:
Tudo o que é thrash e tem a minha voz, sempre vai soar como no Exodus. Minha voz ajudou a identificar o som deles, então tudo o que eu fizer nessa linha do Thrash Metal, vai ter semelhanças. Não há como evitá-la. Para ser honesto, eu realmente não me importo com o que os críticos pensam. Eles não são os únicos que compram o disco ou pagam para entrar no show. Eles obtém uma cópia gratuita do registro, por isso, se eles não gostam disso, quem se importa? Eu estou trabalhando para os fãs. Quando alguém paga o dinheiro para a minha música ou paga para assistir a um show, eu espero que no mínimo que elas tenham seus dinheiros compensados, algo que vai valer a pena. Essas são as opiniões que são importantes para mim. A reação dos fãs tem sido incrível. Todo mundo parece estar falando a respeito deste disco como algo bastante positivo. Eu não precisaria ir tão longe para dizer que é o melhor disco que eu já fiz.

HARD AND HEAVY – “Heroes of Origin” é incrível. Na minha opinião soa como um “Tempo Of The Damned”, com uma pegada mais atual e brutal. Essa semelhança então foi algo que fluiu naturalmente?
STEVE “ZETRO” SOUZA:
Kosta é muito influenciado pela cena “Thrash old school”. Isso é o que nós aprendemos a tocar desde sempre. Ele adora essa música, embora ele está nos seus vinte e poucos anos e não estava lá quando tudo aconteceu pela primeira vez. Assim, os riffs e os arranjos musicais são muito na mesma veia, como a música que eu fiz no passado. Eu acho que não era necessariamente intencional, mas era o caminho natural quando nós escrevemos músicas juntos. Tem aquela velha vibração old school para ele. Claro que os fãs que amavam o que eu fazia com o Exodus vão adorar esse álbum, também! Eu não ia sair por aí fazendo qualquer merda, é uma continuação do que eu sempre fiz.

HARD AND HEAVY – Eu vi que vocês tocam algumas canções do Exodus nos shows do Hatriot. Como foi essa escolha? Vai rolar outros sons de sua carreira?
STEVE “ZETRO” SOUZA:
Na verdade, temos canções ensaiadas de todos os “capítulos” da minha carreira. Normalmente, se o tempo permitir, vamos fazer algumas músicas do Exodus, após terminar nosso set normal, onde tocamos basicamente todas as músicas do “Hetoes Of Origin”, só porque os fãs das antigas querem me ver cantando essas coisas. Como disse, costumamos tocar todo o”Heroes Of Origin” e, em seguida, terminamos a noite com alguns “covers”. Em alguns shows, entra uma música do Legacy (pré-Testament), em outros pode ser uma canção do Death Dublin Patrol… Mas normalmente são canções variadas do Exodus, mesmo. E isso muda de show para show, para que não se torne algo previsível.

HARD AND HEAVY – Steve, você sabe que tem muitos fãs no Brasil desde o tempos de Exodus, certo? Quais as chances do Hatriot vir logo para cá? Existe alguma negociação adiantada sobre isso?
STEVE “ZETRO” SOUZA:
Nós definitivamente iremos ao Brasil em algum momento. Agora estamos finalmente conseguindo alguns agentes (produtores de shows) interessados, e também estamos nos preparando para voltar ao estúdio e mandar bala em nosso segundo álbum, no outono. Uma vez que ele estiver pronto e for lançado, eu sinto que teremos uma melhor chance de conseguir algumas ofertas legais para tocar aí. Eu amo o Brasil e estamos ansiosos para tocar para vocês!

HARD AND HEAVY – Será que o seu trabalho com Hatriot pode afetar a sua contribuição criativa com outras bandas você está envolvido como Dublin Death Patrol? ou vice-versa…
STEVE “ZETRO” SOUZA:
O Hatriot é a única banda que eu estou fazendo a partir de agora. Nós não costumamos nos concentrar muito no DDP, ou outros projeto paralelos. Minha prioridade é concentrar e colocar toda minha energia no Hatriot. DDP foi divertido, mas é hora de seguir em frente e fazer com que o Hatriot virmum nome conhecido no Thrash Metal. Essa é a minha prioridade neste momento.

HARD AND HEAVY – Você citou sobre entrar em estúdio e gravar o segundo álbum. Vocês já possuem bastante material, ou ainda é muito cedo para falar disso?
STEVE “ZETRO” SOUZA:
Nós já temos cinco músicas prontas para o próximo álbum. Quatro deles são novas, e nós planejamos arranjar e incluir “The Fear Within” de nossa demo de 2011. Kosta está constantemente escrevendo riffs, por isso estamos no horário certo para ter essa coisa pronta para gravar no outono. Eu gostaria de dizer que isso deve rolar por volta de Setembro, se tudo correr como planejado, com uma data de lançamento em algum momento de janeiro.

HARD AND HEAVY – Steve, sei que Gary Holt anda muito ocupado com o Slayer e todas as turbulências que essa banda viveu recentemente. Mas e se ele lhe pedir para fazer uma turnê entre o Exodus e Hatriot. Você aceitaria?
STEVE “ZETRO” SOUZA:
Ah, com certeza! Temos remendado todas as velhas feridas há muito tempo. Gary e eu estamos bem agora, e eu consideraria uma honra abrir uma turnê do Exodus. E tenho certeza que os fãs iriam adorar também. Eu não sei o que o futuro reserva para eles agora, já que como você disse, Gary está bem ocupado com o Slayer, em tempo integral, eu diria, mas eu iria adorar tocar com o Hatriot em alguns shows ao lado do Exodus. Isso seria muito legal!

HARD AND HEAVY – Qual foi o momento de destaque em sua história como músico? Você pode nos contar alguma história especial?
STEVE “ZETRO” SOUZA:
Tudo tem sido motivo de destaque, para ser honesto com você. Quando eu era criança eu sempre sonhei em ser uma grande estrela do rock e sonhava em sair em turnê pelo mundo, e gravando discos e tudo mais. Tudo isso se tornou realidade para mim, por isso tem sido incrível e o melhor é que ainda não acabou! Minha história favorita provavelmente seria algo da turnê Êxodo fez para “Fabulous Disaster”. Era 1989 e estávamos no topo. Nós não sabíamos disso na época, mas estávamos descobrindo isso na estrada, com shows vendidos aos montes no exterior. Sem dúvidas o destaque para mim foi tocar nosfestivais europeus. Eu tinha sonhado em fazer esses grandes shows e lá estava eu no meio disso tudo, com aquilo se tornando real. Isso foi incrível!

HARD AND HEAVY – Há algum tipo de erro que você possa ter cometido no passado que hoje em dia saberia evitar com o Hatriot?
STEVE “ZETRO” SOUZA:
Felizmente eu tenho estado em torno do negócio por tanto tempo que hoje em dia eu saberia muito bem o que evitar. Bandas fazem um monte de erros, bandas especialmente os jovens. E isso basicamente tem a ver com assinatura de contratos ruins, e aquela pressa toda de chegar a um acordo. Agora, todo o negócio envolvendo o Hatriot, passa por mim e pode ter certeza eu supervisionar tudo. De volta ao Exodus; uma vez assinamos um contrato de 70 páginas em tempo recorde, sem nem sequer ler o que estava escrito nele (Risos). Eu só queria ser uma estrela do rock, então eu assinei os papéis que foram colocados na minha frente (Risos). E era um negócio horrível! (Risos) Agora eu presto total atenção a tudo que está acontecendo com Hatriot. E também estamos analisando cuidadosamente todas as turnês que estão nos oferecendo. Com o Hatriot serei mais seletivo. Os acordos tem que ser algo que faça sentido, para que possamos fazer o melhor (para ambas as partes).

HARD AND HEAVY – Steve, muito obrigado pela entrevista. Foi um prazer e uma honra falar com você. Eu realmente estou ansioso para ver Hatriot quando você vir para o Brasil. Envie uma mensagem para os fãs brasileiros que como eu, quer vê-los tocando aqui, em breve.
STEVE “ZETRO” SOUZA:
Quero agradecer demais pela entrevista, e agradecer a todos os fãs incríveis no Brasil, em todos esses anos de apoio a mim. Vocês todos detonam e eu mal posso esperar para chegar aí e tocar o terror em cima do palco. Obrigado pelo carinho com o “Heroes Of Origin”, queremos que o próximo registro seja tão bom quanto, e quem sabe irmos para um nível totalmente novo. Vejo vocês em tour, continuem firmes no Thrash!

https://www.facebook.com/hatriot
http://www.hatriotmetal.com/

entrevistas