Livros e Publicações Preste Atenção! Reportagens Especiais Caricaturas Parceiros Destaque Coberturas Entrevistas Lançamentos Home
Rhapsody Of Fire – Carioca Club – São Paulo – 30/06/12

Postado 5 de julho de 2012 às 14:05

Share |

Rhapsody Of Fire – Carioca Club – São Paulo – 30/06/12

Texto e fotos: Evandro Camellini

Bradem suas espadas! Subam em seus dragões! Pois o ícone do Epic Metal, Rhapsody of Fire aportou em nossas terras, para fazer o último show de sua atual turnê mundial de seu último álbum, From Chaos To Eternity.

A banda oriunda da Itália, em sua terceira passagem pelo Brasil, trouxe dessa vez em sua formação o consagrado vocalista Fabio Lione, um dos fundadores originais Alex Staropoli nos teclados, Tom Hess e Roberto de Micheli nas guitarras, e os irmãos Oliver e Alex Holzwarth, respectivamente baixo e bateria, formando a cozinha.

O show estava marcado para começar às 19h, o que nos fazia imaginar que o set list poderia ser longo. E realmente foi. Dezoito músicas executadas em praticamente duas horas de palco, onde os integrantes despejaram sobre os alucinados fãs muito virtuosismo e carisma, principalmente de Lione. Desde a primeira música, Ad Infinitum, Lione mostrou ter um total controle sobre o público. Sempre se movimentando muito pelo palco, abusando dos gestos (como um bom italiano!) para ressaltar o que a letra dizia e principalmente se comunicando muito com o público – o vocalista é sem dúvidas o destaque da banda. Isso não significa que o resto não tenha tido uma participação fundamental no preenchimento do palco.

O que se pôde perceber foram músicos competentes na execução das músicas, e conscientes em sua disposição e presença de palco. A parte técnica também merece destaque, já que a iluminação interagia com o show, fazendo com que cada música praticamente tivesse uma personalidade própria em meio ao espetáculo.

O repertório seguiu com From Chaos to Eternity e Triumphy of Agony, músicas da atual fase da banda. E então uma sequência dos tempos “pré racha”: The March of the Swordmaster, Unholy Warcry, Lamento Eroico (que ficou incrível!) e Land of Immortals. Nesse momento, os músicos saem do palco e deixam Alex Holzwarth sozinho, para que ele mostre um pouco de sua técnica e precisão com tambores. Um solo de bateria quase ofuscado pelo show de luzes que fez a moldura para o mesmo.

Na sequência, o outro membro da família, Oliver, volta ao palco para um solo de baixo. E então o show prossegue com Knightrider of Doom, The Village of Dwarves, Dawn of Victory, The Magic of the Wizard`s Dream. Até aqui, Lione já tinha se dirigido ao público no intervalo de todas as músicas, praticamente. Falou da turnê, das músicas, do público, de futebol, de tudo o que se pode imaginar! E então, a primeira arrasa quarteirão da noite: Holy Thunderforce. Desnecessário dizer que a casa quase caiu, e a música foi cantada em uníssono!

E com isso a banda saiu do palco. Alguns minutos fora, retornam e mandam Reign of Terror. Mais papo de Lione com o público, e tínhamos a segunda arrasa quarteirão: Emerald Sword. Mais uma vez a casa quase caiu!  E para fechar, Act VI: Erian`s Lost Secret e The Splendor of Angel`s Glory. E assim o show chegou ao seu final.

Muitos podem dizer que havia mais de uma voz sendo ouvida, e apenas um vocalista no palco. Outros poderão ressaltar que não se via as pernas de Alex produzindo as notas dos bumbos, e que sua pegada de mãos era muito mais fraca e imprecisa que a dos pés. Comentários que facilmente remetem as já lendárias histórias dos playbacks usados na primeira passagem da banda para o Brasil. Verdade ou exagero, o fato é que o público enlouqueceu na apresentação, que foi sim uma grande show. Muito bonito em termos visuais, muito preciso em termos musicais. Se algum artifício foi mesmo usado, acredito que isso pouco importou a quem esteve lá. O que realmente ficou para os fãs foi mais uma bela jornada rumo ao mundo de fantasia criado de forma musical pelo Rhapsody of Fire!

coberturas