Livros e Publicações Preste Atenção! Reportagens Especiais Caricaturas Parceiros Destaque Coberturas Entrevistas Lançamentos Home
CD: HEAVENLESS – WHOCANTBENAMED

Postado 23 de janeiro de 2018 às 00:44

Share |

HEAVENLESS
Whocantbenamed
Rising Records – Nacional

Lançado no começo de 2017, Whocantbenamed foi a aposta do Heavenless em um full lenght para sua estréia, logo de cara. Escolha de respeito que felizmente não desaponta o fã de extremo em momento algum. E falando em cara, o choque já começa pela capa do CD, que mais parece conter uma mensagem agourenta para qualquer um que o receber. Obra de Hugo Silva, que soube capturar como ninguém a aura musical do álbum.

São nove faixas em quarenta minutos e engana-se quem acha que vai encontrar uma porradaria seca, crua, sem nuances regadas à gritaria sem dinâmica. Muito pelo contrário. Cada faixa oferece uma face da musicalidade do power trio, que mesmo bebendo na fonte do Deathcore, adicionou com maestria diversos elementos ao longo das canções. Tudo muito equilibrado, bem conectado, na medida certa. E claro, pesado, brutal, aterrador e é impossível não pensar em palavras não censuráveis para terminar de descrever.

O tracklist começa com Enter Hades, que após uma intro que deixa aquela sensação de que algo medonho está às suas costas, cai pesada com uma cadência onde o trio mostra a que veio. Cada membro brilha em seus instrumentos e o mesmo pode ser dito do vocalista que mais do que simplesmente gritar, mostra que domina a técnica e incorpora as letras de forma visceral, além de ser responsável por todo o “groove nfernal” (baixo) que faz qualquer um revirar os olhos. Hopeless faz saltar a veia Thrash do grupo sob o excelente comando de Mad Butcher em seu kit.

Ressaltando o que foi dito no inicio da materia, em The Reclaim, as varias nuances começam a aparecer sob a face Doom do grupo, com passagens mais arrastadas e algo de mais limpo. Hatred e Soothsayer carregam os maiores destaques com relação a peso do álbum e partir de Odium, mais uma “thrasheira” de respeito, o pau come eternamente, passando por Uncorrupted, Deceiver e Point-blank, regadas a riffs precisos e bases sólidas do guitarrrista Vinicius.

O powertrio é composto por Kalyl Lamarck (vocais, baixo), Vinícius Martins (guitarra) e Vicente “Mad Butcher” Andrade (bateria), naturais do Rio Grande do Norte. E estão de parabéns pela estreia insana! Ótimas conduções, sem soar comum mas também em deixar pontas soltas numa paçaroca sonora, o trabalho dos rapazes tem forte personalidade e tudo pra ser um grande nome no metal extremo brasileiro.

 

Thamy Melo.

lancamentos