Livros e Publicações Preste Atenção! Reportagens Especiais Caricaturas Parceiros Destaque Coberturas Entrevistas Lançamentos Home
Mayhem – Clash Club – São Paulo/SP – 09/10/16

Postado 14 de outubro de 2016 às 04:21

Share |

Por Leandro Cherutti / Fotos: Leandro Cherutti, Leandro Almeida e Gil Oliveira

Uma das bandas mais polêmicas do Black Metal dos anos 90, o Mayhem, retornou a cidade de São Paulo no último dia 9 de outubro e realizou uma memorável apresentação na conhecida casa Clash Club, localizada na zona oeste da capital. Nesta oportunidade os noruegueses tocaram na íntegra o aclamado álbum De Mysteriis Dom Sathanas.

O grupo se formou em 1984 na cidade de Oslo (Noruega) e foi o pioneiro do estilo em seu país, teve como líder e mentor Øystein Aarseth mais conhecido pelo público como Euronymous, que foi brutalmente assassinado a facadas em 1993. O musico foi o responsável por toda uma remodelagem do Black Metal conhecido até então, criando uma sonoridade única e peculiar que ficou muito bem caracterizado em toda uma nova geração de bandas que surgiam naquele país no início dos anos 90.

Mas vamos ao que interessa, pontualmente às 20h05 as luzes se apagaram e a música One Rode To Asa Bay da lendária banda Bathory foi interrompida bruscamente, finalmente havia chegado o momento tão esperado por todos, era hora do Mayhem tomar de assalto o palco deste local. Uma introdução passou a ecoar no recinto neste instante, esta foi a deixa para que o primeiro músico comparecesse ao cenário e assim surgiu para a euforia de todos o baterista Hellhammer, em seguida entraram os guitarristas Ghul e Teloch que se posicionaram respectivamente ao lado direito e esquerdo do palco, logo depois adentrou o baixista Necrobutcher e em seguida o vocalista Attila Csihar, que apareceu  no momento propicio de iniciar os vocais da primeira canção da noite, Funeral Fog. Com exceção de Hellhammer, todos os outros trajavam uma vestimenta negra com capuz e Attila era o único a usar corpse-paint.

A próxima faixa a satisfazer a vontade dos fãs foi a majestosa Freezing Moon, que teve em determinados momentos partes sua letra cantada por muitos.

Com uma iluminação extremamente escura, o palco se transformou em um ambiente sombrio e creio que esta foi a intenção, em alguns momentos mal se conseguia ver os músicos em ação, feixes de luzes saiam desde o chão em hora tonalidade azul e em outra vermelho, que ao se misturar com a fumaça que havia no ar, criava uma atmosfera misteriosa e que permaneceu até o final do espetáculo.

Dando seguimento ao show o quinteto tocou Cursed in Eternity e logo na sequência Pagan Fears que levantou ainda mais a plateia. Após sua execução os músicos se retiraram por alguns minutos, criando assim um clima de expectativa no público. Ao retornarem, trouxeram consigo Life Eternal, faixa dona de um riff marcante e que em minha modesta opinião é uma das melhores composições do disco.

Attilla é uma atração à parte dentro do show, o mesmo possui uma performance praticamente teatral, interpretando cada música de forma única, em alguns momentos usou uma espécie de máscara, em outro encenou um sacerdote católico realizando uma missa, trajando uma batina roxa e movimentando em sua mão esquerda um turíbulo, mais ao final usou um crânio humano que em determinada circunstâncias ficou preso ao seu microfone e dependendo do ângulo de vista se encaixava perfeitamente ao seu corpo, criando desta forma uma ilusão de ótica muito interessante.

Com aproximadamente 35 minutos de apresentação e cinco composições exibidas, restavam três a serem tocadas e a primeira delas foi a belíssima From the Dark Past que abriu caminho para o petardo Buried by Time and Dust e para concluir executaram a faixa que possui o nome deste magnifico álbum. As luzes se acenderam e os músicos saíram do palco, neste momento uma pergunta surgiu em minha mente instantaneamente, será que voltarão para um bis? E a resposta que obtive foi um sim, retornaram minutos depois com a clássica Deathcrush que veio seguida por Chainsaw Gutsfuck e finalizaram esta impecável apresentação com Pure Fucking Armageddom.

Foi um show impecável, casa cheia e ótima qualidade de som, o grupo correspondeu a altura toda a expectativa criada em torno de seu nome, estes noruegueses sabem como ninguém conduzir um espetáculo. Agora o que nos resta é esperar e torcer para que mais breve possível, retornem a terras tupiniquins.

Gostaria de agradecer a Leandro Almeida e Gil Oliveira por cederem gentilmente alguns de seus registros.

*Infelizmente a nota negativa vai para um infeliz que roubou um dos backdrops que fazem parte do show da banda, causando vergonha nos fãs que estiveram diante dessa aula de música extrema…

Setlist:

Funeral Fog

Freezing Moon

Cursed in Eternity

Pagan Fears

Life Eternal

From the Dark Past

Buried by Time and Dust

De Mysteriis Dom Sathanas

 

Bis:

Deathcrush

Chainsaw Gutsfuck

Pure Fucking Armageddon

 

Galeria de fotos: (clique na imagem para ver ampliada!)

 

 

coberturas