Livros e Publicações Preste Atenção! Reportagens Especiais Caricaturas Parceiros Destaque Coberturas Entrevistas Lançamentos Home
ENTREVISTA: MARCIO SANCHES

Postado 16 de janeiro de 2016 às 01:31

Share |

“(…) E por experiência própria eu sinto que para ter feeling e criatividade basta você usar um sentimento que nasce dentro da gente. E, de verdade, uma lágrima que vem de uma nota vale muito mais do que partituras escritas sem amor. Eu acredito e vivo isso. E quando ouço um músico na hora já sinto se ele tem sentimento e isso é muito nítido.” – Marcio Sanches.

Por Thamy Melo

Esta aí uma entrevista desejava postar faz tempo. Quando a escrevi, o fiz com o mesmo carinho que acreditei que seria retribuída e não foi diferente. Foi até melhor do que pensei. Muitas pessoas não conhecem ainda o guitarrista Marcio Sanches, inclusive até alguns guitarristas que tive a oportunidade de conversar nesse meio tempo. Mas o fato é que nosso entrevistado é dono de uma bagagem enorme, e talento também, motivo de orgulho para o cenário brasileiro e merecedor de mais atenção. Como todos sabemos, fazer música em nosso país não é tarefa fácil, e ao contrário do que muitos pensam, vida de músico é uma ralação atrás da outra. Se dedicar somente a musica, aqui, é dar a cara à tapa (e saber que vai levar muitos), da mesma forma que não são todos que conseguem essa proeza, e precisam dividir a vida em dois trabalhos para sobreviver. Aos que se dispõem à música e trabalham duro por ela, fica o título de heróis, e o muito obrigado de centenas de ouvintes e amantes de nossa música. Que essa chama seja sempre preservada e a presente entrevista inspire a quem ler.

HARD AND HEAVY: Oi Marcio, como vai? Um grande prazer falar com você! Vamos começar com um pequeno histórico seu e de sua carreira. Como e em que momento a música apareceu em sua vida?

MARCIO SANCHES: Olá Hard And Heavy estou bem e trabalhando muito. Obrigado pela entrevista e o prazer é meu, de verdade. A música entrou em minha vida desde pequeno por ter a sensibilidade de ficar ouvindo, e sentia demais as notas. Meu Pai estudou violão por um ano e não pôde continuar. E quando soube já quis pegar e aprender mesmo que sozinho, tinha uns 10 anos de idade. Em 1981 o show do Queen passou ao vivo na TV e eu já era muito fã deles, mesmo sem ter muito conhecimento. Meu Pai ganhava do laboratório que ele trabalhava alguns discos de música clássica e íamos dormir ouvindo eles e eu amava aquelas notas lindas. E isso despertou a minha grande vontade de querer ser músico e tocar.

HARD AND HEAVY: Fale um pouco de seus materiais já lançados, antes desse último trabalho. Quais são eles e no que consistem?

MARCIO SANCHES: Vou colocar na ordem e tudo que já fiz:
- DEUSA “First Dream”, 1996, Demo (Voz,Guitarra,Composições,Baixo,Teclado e Produção)
- HOPE “Single”, 1999, Demo (Voz,Guitarra,Composições,Produção)
- Krusader”Angus”, 2006, CD Independente (Guitarra)
- Marcio Sanches VOL.1 “Curso de Guitarra-Aprenda a tocar”, 2008, DVD, Selo Qualidade de Vida (Método Prático-Aprendizado Dinâmico)
- Marcio Sanches VOL.2 “Curso de Guitarra-Aprenda a tocar”, 2008, DVD, Selo Qualidade de Vida (Método Prático-Aprendizado Dinâmico)
- Edinho Santa Cruz E Banda “Na Estrada Do Rock”, 2008, DVD e CD pela gravadora UNIVERSAL (Guitarra,Violão)
- Marcio Sanches “Single”, 2011, Demo (Guitarra,Composições)
- Ricardo Parronchi “Finding My Way”, 2012, CD Independente (Guitarra)
- Marcio Sanches “Instrumental”, 2014, CD Independente (Guitarra,Teclado e Composições)
- Bruno Sutter, 2015, CD Independente (fui convidado para fazer o solo na belíssima ” I Bloody Love To Love You”)

HARD AND HEAVY: Além de todas as suas qualificações, você também é formado em música. Qual foi sua principal motivação em investir numa faculdade?

MARCIO SANCHES: Eu sempre fui autodidata e, de verdade, até hoje componho pensando assim. Mas para poder ter uma profissão e estudar eu tive a oportunidade de poder estudar e me formei na Universidade São Judas Tadeus em Artes. É bom ter um diploma, mas o dia a dia e a vida ensinam muito mais, acredite em mim.

HARD AND HEAVY: Acredita que a graduação seja essencial para o músico, considerando nosso cenário musical?

MARCIO SANCHES: Eu respeito demais quem estuda e quem é autodidata. Já toquei com excelentes músicos, tanto os que estudaram e os que tocavam de ouvido. E por experiência própria eu sinto que para ter feeling e criatividade basta você usar um sentimento que nasce dentro da gente. E, de verdade, uma lágrima que vem de uma nota vale muito mais do que partituras escritas sem amor. Eu acredito e vivo isso. E quando ouço um músico na hora já sinto se ele tem sentimento e isso é muito nítido. E as notas provam isso, você ouve e ouve e não sente absolutamente nada. Acho isso muito triste. Um certo músico me perguntou que parte da música é para tocar com sentimento? Eu peguei o lápis com muita calma e educação e escrevi na partitura “A Música Toda”. E isso é muito triste, pois existem músicos que tocam demais, mas não conseguem expressar o valor sentimental das notas.

HARD AND HEAVY: Você acredita em aptidão ou todos podem aprender a tocar um instrumento com a mesma “facilidade”?

MARCIO SANCHES: Acredito sim em aptidão. Mas também acredito que se a pessoa se esforça ela pode tocar de alguma forma. Ter facilidade é muito bom e dando aulas há tantos anos isso se prova ser de verdade. Mas se você pega uma pessoa que ama música e seu sonho é aprender, ela consegue executar muitas coisas e isso às vezes já é gratificante. E cria uma nova forma de ver o valor da música. Você não precisa estudar para ser o melhor músico. O simples fato de você se envolver com música e saber algumas coisas já melhora até sua vida. Pois as notas que saem dos dedos podem ter o poder de trazer um caminho maravilhoso a ser explorado.

HARD AND HEAVY: Como o Queen influenciou sua carreira?

MARCIO SANCHES: A música do Queen me inspirou e inspira demais. Principalmente os primeiros discos. São tantas músicas incríveis e cheias de elementos, de emoção. Me cativou demais e ouço até hoje e os discos inteiros. Em um único disco do Queen como, por exemplo, o Queen II, existe mais informação e músicas lindas do que uma carreira inteira de outras bandas. O Queen provou saber navegar em qualquer estilo e com identidade e isso é demais e muito raro.

HARD AND HEAVY: Quais outros nomes te influenciaram?

MARCIO SANCHES: Nossa eu amo Black Sabbath, Deep Purple, Van Halen, Sepultura, Secos e Molhados, Golpe de Estado, Iron Maiden, Rainbow, Extreme, Björk, Rush, Música Clássica e bandas independentes e músicos que se esforçam para conseguir algo, aí tem muita gente e amigos que torço por eles demais.

HARD AND HEAVY: Você tocou com o Queen Cover por muitos anos. Que experiência e resultados foram colhidos dessa fase?

MARCIO SANCHES: Por amar tanto o Queen fui convidado quando tinha 17 anos de idade a integrar esta banda. Eu aprendi demais nesta época, pois ter que fazer um som tão difícil com poucos equipamentos e como tirar as músicas foi um grande desafio. Estudei demais, e coitado dos meus ouvidos, nossa, passei horas e horas tentando tirar os solos e as harmonias. Hoje em dia no Youtube tem gente ensinando tudo e isso acredito que perde um pouco a graça, pois eu tocava músicas que eles nunca tocaram ao vivo e tinha que adaptar e imaginar como eles fariam. Isso foi mágico. E por amar e respeitar a música do Queen valeu demais. Mas como tudo na vida teve o lado triste de ver pessoas ganhando dinheiro e sendo desonestas. Tocar de graça e ver a casa lotada. Aprender a se virar na estrada.

HARD AND HEAVY: Você chegou a conhecer Brian May há alguns anos atrás, certo? Existe algum contato entre vocês ainda hoje?

MARCIO SANCHES: Eu cheguei no limite máximo que foi poder ter contato com um músico que admiro e respeito demais. E guardo a oportunidade de poder falar com ele para momentos especiais. E como ele sempre foi tão gente boa é importante saber respeitar isso. Espero um dia poder falar com ele de novo e tenho um sonho de tocar junto em um palco. Fiquei impressionando com a atenção dele em uma carta que ele me mandou e isso é muito legal.

HARD AND HEAVY: Tive o prazer de escutar seu álbum mais recente e o que ouvi foi muito cativante! Em posição de ouvinte comum, e creio estar falando por todos que não são músicos, como eu, é difícil uma obra do tipo prender a atenção e ser extremamente agradável de escutar. O que é dito no encarte de seu CD de fato acontece, a citada “liga”. O feeling que o trabalho passa é palpável. Comente um pouco sobre essa sua forma de fazer música e por que você decidiu que seria assim?

MARCIO SANCHES: Poxa vida obrigado mesmo. E como sempre penso e falo, a música precisa ter algo que te cative e te faça querer ouvir de novo e de novo. Eu componho desde os 14 anos de idade e guardo em cada música este gostinho da inocência e de não fazer notas que sejam à toa. É difícil, mas eu sempre tive facilidade em compor e aprendo no dia a dia a colocar elementos de sentimento exposto e verdadeiro em tudo que faço. Se meu coração acelera e respiro fundo, sinto que estou indo no caminho certo. E isso quando você não é conhecido é complicado, mas graças a Deus e pessoas como você, estou podendo mostrar e falar sobre minhas ideias e composições.

HARD AND HEAVY: Ainda sobre esse trabalho, o que te serviu de inspiração, como foi o processo de composição e produção, o que você quis transmitir com ele?

MARCIO SANCHES: Eu tento lançar este CD faz muito tempo e quando conheci o Andreas Kisser e pude trabalhar com ele, mostrei para ele as ideias e ele me incentivou demais. E me deu a força de vontade que faltava. Eu terminei as músicas e voltei a acreditar e junto com Sandro de Lunna que gravou os baixos e ajudou demais na produção e Jhonata Prisco, que veio através do Sandro, fez as baterias e ajudou na produção também . Gravamos como pudemos e o resultado ficou maravilhoso, ainda mais com as mixagens de Nandu Valverde. É um trabalho puro e honesto fiz todas as linhas de guitarra em Stereo e gravadas como se fosse ao vivo. Tem música que fiz quando tinha 14 anos de idade e isso não tem preço que pague. Esperei muito tempo por esta oportunidade. E todas as músicas são feitas por algum motivo ou por algo que passei. E de alguma forma isso fica nas notas mesmo sendo instrumental. Quando o Henrique Inglês de Souza escutou a primeira vez, ele escreveu aquele texto lindo. O que posso dizer é que cada nota tem o seu valor e motivo de estar ali.

HARD AND HEAVY: Além da carreira solo, você está participando de mais algum projeto? No que está envolvido atualmente?

MARCIO SANCHES: Estou fazendo vários trabalhos. Eu componho demais e já tenho um CD novo todo com todas as ideias e não vejo a hora de gravar. Fiz uma brincadeira no meu facebook “Os Improvisos da Madrugada” e isso criou um público novo e vou gravar um DVD com esta ideia e com solos inspirados tocando ao vivo. Gravei com Bruno Sutter em seu primeiro disco solo. Gravei com a Banda 7List de Pop Rock. E estou dando aulas sem parar.

HARD AND HEAVY: Você também dá aulas! Imagino que seja uma rotina agitada. É complicado conciliar as aulas com os demais compromissos?

MARCIO SANCHES: Demais, pois a minha vida é sem parar um minuto. Isso não é fácil ainda mais quando se faz tudo sozinho. O grande segredo é fazer e colocar o coração em tudo. Por isso sempre que demoro em fazer algo eu peço desculpas, como esta entrevista, me perdoe. Mas a minha vida é muito controlada. E faço de tudo para conciliar família e trabalho. Não tenho férias ha 14 anos, mas isso não importa, pois nunca consegui tantas coisas como agora. E quero ir muito mais longe para servir de exemplo para outros, abrir portas e mostrar que um cara comum também pode chegar a algum lugar com muito suor e honestidade.

HARD AND HEAVY: Onde suas aulas são ministradas? Se alguém estiver lendo essa matéria e se interessar, como deve contatá-lo?

MARCIO SANCHES: Marcio Sanches Guitar – Rua Antônio Camargo, 291 – Tatuapé São Paulo – SP – Tel. TIM 11 959115210 – E-mail: ms.marcio@uol.com.br

HARD AND HEAVY: Me fale um pouco sobre o que você gosta de ouvir. Tem algum estilo preferido, ou seu gosto é bastante diversificado?

MARCIO SANCHES: Quando ouço algo que me toca eu fico doido para ouvir de novo. Se isso acontece com certeza vou gostar da música. Eu tenho uma vida de rockeiro. Mas eu estou sempre com as antenas ligadas e sempre ouço o que acham que é novo. E tem muita coisa que gosto e aprendo de verdade. Gosto de música e os alunos sempre me mostram muitas coisas novas. Não sou um pesquisador, mas quando posso fico ouvindo de tudo para ver o que acontece no mundo. Tem muita coisa ruim infelizmente. Mas tem muita coisa boa, não na grande mídia com certeza.

HARD AND HEAVY: Independente do estilo, o que você acha ser essencial no aprendizado e carreira de um guitarrista, ou um músico em geral?

MARCIO SANCHES: Saber respeitar a música e outros músicos. Estudar com vontade de desenvolver com paciência a arte de tocar um instrumento. Nunca passar por cima de alguém e sim ajudar se possível. Procurar um professor que ame música e te faça realmente aprender. Criar uma rotina diária de estudos para o seu instrumento. Tocar com o máximo de pessoas possível para poder aprender a conversar com notas e pessoas diferentes. Estar sempre atento para aprender e observar algo que pode ser importante profissionalmente. Não se iluda fácil sempre mantenha um equilíbrio. Procure compor cada vez mais para conseguir entender o valor de cada nota tocada. Tem tantas coisas espero que isso ajude.

HARD AND HEAVY: Creio que após seu último lançamento, mais expectativas se criaram sobre seu trabalho, Já existem novos trabalhos vindo por aí? O que você pode nos adiantar?

MARCIO SANCHES: Sim e não vejo a hora de gravar um CD novo Instrumental, um com Voz e o DVD “Improvisos da Madrugada”. Eu fiz a Tour de uma banda da Sérvia de cover do Queen e acredito que este ano vou para lá fazer um mini tour com minhas músicas. Gostaria muito de gravar um dia com outro músico que fiz um Tou Jeff Scott Soto e acabei compondo algumas músicas inspirado na sua voz eu ainda não mostrei para ele. E espero um dia conseguir. Toquei com o Andria e Ivan Busic e espero de coração poder gravar algo com eles, tenho certeza que vai ser demais.

HARD AND HEAVY: Que panorama do cenário rock/metal brasileiro você enxerga? O que mais faz falta em nosso meio?

MARCIO SANCHES: É um panorama rico e que cresce a cada dia. Mas falta mais ajuda e união. Já passei por momentos bem difíceis e aprendi demais e falo de coração aberto: as pessoas precisam se respeitar mais. E se você se esforçar muito e souber a hora certa de mostrar seu trabalho isso ajuda demais. Eu sonho e peço todos os dias para conseguir chegar a algum lugar para que isso abra portas.

HARD AND HEAVY: Com base no que você percebe em seus alunos, esses novos músicos que estão se formando agora, estão inclinados a fomentar esse meio? O que eles visam?

MARCIO SANCHES: Aqui na escola o que mais viso e passo para todos é saber respeitar e ajudar um ao outro. Isso eu faço há anos e já tem muitos alunos aparecendo e fazendo a diferença. Alguns exemplos de alunos: Genocidio, Furia Inc, Wonbat, LuscoFusco , Somrisal , Bravura , CIA Tóxica , Catarse e muitos outros que fico realmente emocionado de lembrar e fazer parte disso. Aqui cada um é respeitado e não importa se é famoso ou aluno novo, todos são iguais e isso é maravilhoso.

HARD AND HEAVY: Marcio, o Hard And Heavy agradece pela entrevista! Desejamos muito sucesso e crescimento. Se quiser deixar alguma mensagem aos nossos leitores, a hora é essa.

MARCIO SANCHES: Agradeço demais de coração a oportunidade de poder falar um pouco sobre meus trabalhos. E ver o interesse das pessoas em tudo isso é um verdadeiro presente que eu abro e que serve demais de oxigênio para continuar acreditando e batalhando. E se possível agradecer aos meus endorsees que me mantém de pé :Viskom, Murilo Luthier, Lady Snake Rock Wear, Tecniforte Cables, SG Strings, Lost Dog Guitar Wear, ArtWood Guitars and Bass, Meteoro Amplifiers, Fuhrmann, Eko Guitars, SKATE Center, Evoke Eyewear, Templo dos Músicos, Mauricio Kf, Vulcan Cases.

Obrigado.

entrevistas