Livros e Publicações Preste Atenção! Reportagens Especiais Caricaturas Parceiros Destaque Coberturas Entrevistas Lançamentos Home
Korpiklaani / Enthring – Clash Club – São Paulo 09/06/12

Postado 29 de junho de 2012 às 03:35

Share |

Texto e fotos por Evandro Camellini

Uma noite de extremos finlandeses pôde ser conferida no palco do Clash Club, na noite fria (para compor de forma típica o ambiente) do último sábado. Extremos não por termos bandas de Black Metal, por exemplo. Mas sim pelo fato dos presentes terem a chance de conferir uma banda até então desconhecida por aqui, com outra já consagrada entre seus fãs. Uma banda que estava até mesmo tensa em sua apresentação, e outra que transformou o local numa verdadeira festa. E foi no espaço entre esses extremos que a noite aconteceu.

 

A primeira banda a subir ao palco, por volta de 19h15 (com 15min de atraso em relação ao divulgado) foi a Enthring. Em turnê de divulgação de seu trabalho, hoje no segundo álbum (The Grim Tales of the Elder, lançado em 2011), o Enthring foi adicionado como banda de abertura do Korpiklaani quase de última hora, ao mesmo tempo em que foram anunciadas mais datas dos finlandeses em solo brasileiro.

A banda, formada por Petteri Eväsoja (guitarra/vocal), Tommi Suutarinen (guitarra/vocals), Henri Kotipelto (Baixo) e Toni Paananen (bateria, substituindo na tour o baterista oficial, Mika Lumijärvi) apresenta um Melodic Death Metal, visivelmente influenciado por Children of Bodon. Para quem não conhece o som, e arrisco a dizer que ali seria quase a totalidade do público, as músicas não soam ruins. Porém, em pouco tempo, começam a soar extremamente repetitivas.

O teclado é um instrumento muito presente nas composições, mas suas linhas foram executadas em forma de sampler. Isso ajuda a manter a execução das músicas um pouco “travada”. A banda realizou uma apresentação fria para o pouco público que naquele momento se juntou a frente do palco, sem maiores destaques individuais. Em certos momentos, era até possível perceber que os integrantes estavam realmente tensos em estarem tocando ali. Não chegaram a decepcionar, mas também não empolgaram. Fizeram seu papel de divulgação.

Na sequência, após uma longa espera e com vinte minutos de atraso em relação ao anunciado, finalmente a Intro mecânica do Korpiklaani se fez ouvir. E, em poucos minutos, a banda irrompia o palco, já chegando como um furacão! Formada por Jonne Järvelä (vocal/guitarra), Kalle Savijärvi (guitarra), Matti Johansson (bateria), Jarkko Aaltonen (baixo), Juho Kauppinen (acordeon) e Tuomas Rounakari (violino, que passou a fazer parte da banda esse ano, e foi um dos grandes destaques nesse show), a proposta musical do Korpiklaani é nitidamente, festa! Você ouve as músicas, e facilmente pode se imaginar em volta de uma fogueira, em grupo, dançando, regado a muitos litros de muitos tipos de bebidas alcoólicas, como os nomes de algumas de suas músicas fazem questão de ressaltar, diga-se!

Os finlandeses carregam para o palco uma apresentação visual bem teatral, vestindo roupas que mais podem ser consideradas figurinos, o que contribui muito e perfeitamente para criar o clima citado. A essa altura, o público já tinha mais do que duplicado, tomando dois terços da pista da casa. E este foi totalmente contagiado pelas músicas. Ouvir as músicas sendo cantadas, e ver suas melodias sendo dançadas em várias rodas foi a tônica da participação dos fãs.

Os momentos de destaque do show foram o solo de violino de Tuomas (assim como suas danças, quando as realizou); o cover do clássico do Motorhead, Iron Fist (que ficou muito interessante com essa pegada Folk, diga-se); a execução de Tequila, com uma performance bem peculiar e divertida de todos; Vodka, com a citada sendo jogada direto na boca dos que estavam a frente de Kalle; e Happy Little Boozer, que quase trouxe o Clash Club abaixo quando começou a ser executada! A banda tocou por volta de uma hora, saindo e voltando para o bis, com mais três músicas, e então a festa terminava realmente.

Sair de lá sem ter, no mínimo, se divertido muito, foi impossível! O carisma da banda, aliada a perfeita execução das músicas, onde todos os instrumentos puderam ser ouvidos de forma nítida, junto com a reação inflamada e constante do público, criaram um cenário perfeito para essa diversão. Confesso não ser fã do estilo (Folk Metal), mas admito ter saído do Clash com um apreço especial pelos caras do Korpiklaani. Transformaram uma noite fria de um dia monótono em uma festa inesquecível!

Setlist Korpiklaani:

Hunting Song
Journey Man
Cottages & Saunas
Juodaan Viinaa
Lonkkaluut
Kipumylly
Metsälle
Vaarinpolkka
Vodka
Wooden Pints
Iron Fist (Motorhead cover)
Happy Little Boozer
Tequila
Beer Beer

Encore:

Pellonpekko
Tuoppi Oltta
Il Lea Voibmi

coberturas