Livros e Publicações Preste Atenção! Reportagens Especiais Caricaturas Parceiros Destaque Coberturas Entrevistas Lançamentos Home
Entrevista: Noturnall – Jr. Carelli

Postado 15 de agosto de 2015 às 19:14

Share |

Poucas bandas têm conseguido chamar tanta a atenção do público e da mídia como os ex – membros do Shaman + Aquiles Prister, atendidos pelo nome de Noturnall. Em atividade desde 2013, o Noturnall tem lançado CD’s, DVD’s, vídeos – clipes, documentários quase que na mesma velocidade da luz, sendo esse um dos sucessos da banda.

Quem explica mais sobre isso é Jr. Carelli, tecladista, pianista e vocalista, em um bate – papo bastante descontraído. Confiram.

Por João Paulo Pretti

 

Hard And Heavy: ” Back To Fuck You Up! ” é o novo álbum de estúdio do Noturnall. Como foi o processo de composição, visto que as músicas estão mais agressivas e livres de rótulos?!

Jr. Carelli: Nós compusemos muitas coisas durantes as viagens, durante as tours. No primeiro álbum nós ainda tínhamos a vertente do Shaman viva, já no segundo álbum nós decidimos fazer aquilo que nós estávamos com vontade de fazer mesmo, que é realmente descer a mão ( risos )! Nós compusemos pensando em dar mais liberdade para todos e soltar o demônio em si!

Hard And Heavy: Qual a mensagem por trás da música ” Back To Fuck You Up! ”?! O álbum como um todo é conceitual?!

Jr. Carelli: Ele é conceitual. É um álbum político, que diz sobre a manipulação da massa. ” Back To Fuck You Up! ” diz sobre o conceito de você estar sendo controlado, não conseguir se soltar e estar de volta para f**** você. O álbum inteiro é uma crítica política, inclusive tem o trecho de uma frase de um político famoso que estava em uma reunião da ONU e disse: ” se os alienígenas já estivessem entre nós, talvez nós já estivéssemos se unido mais ”. Então é justamente isso, a manipulação da massa emposta pela politicagem.

Hard And Heavy: Talvez a música mais emocionante que a banda fez foi o cover de ” Woman In Chains ”, música da banda Pop Tears For Fears, e uma mais que merecida homenagem a todas as mães. Como surgiu a idéia de regrava – la, já que é uma música mais emocional, mais intimista, fugindo um pouco da proposta da banda?!

Jr. Carelli: Nós tínhamos um projeto chamado Arena, que era tipo um Avantasia com várias participações, e ” Woman In Chains ” era uma música que já estava gravada, eu já tinha gravado os teclados há um bom tempo atrás, e que o Thiago Bianchi já tinha gravado com a mãe dele ( N.R.: Maria Odette ). E depois disso surgiu a idéia de fazer uma homenagem as mães, juntamente com o vídeo – clipe e funcionou.

A música impactou o público, a idéia de fazer uma homenagem para as mães tocou as pessoas e nós apenas reutilizamos algo que já estava gravado há muito tempo.

Hard And Heavy: A banda se apresentará no Rock In Rio, ao lado do renomado vocalista Michael Kiske. Como surgiu a oportunidade de dividir o palco com essa lenda do Heavy Metal?!

Jr. Carelli: Além da oportunidade maravilhosa de estar do lado do Michael Kiske, é Rock In Rio, não é ( risos )?! Não é só tocar com Michael Kiske, é tocar com Michael Kiske no Rock In Rio ( risos )! No fim das contas é muito estressante porque não dá para errar, entende?! Vai ter que ser 100% perfeito e nós estamos muito preocupados com isso, porque é uma responsabilidade muito grande.

Têm muitas surpresas, muitas coisas legais que eu não posso contar. Acredite, está dando muito trabalho, mas eu espero ser recompensador para os nossos fãs, pois são para vocês que nós fazemos isso.

Hard And Heavy: Depois do show no Rock In Rio a banda sairá em turnê pelo Sul / Sudeste, e eu já estou sabendo que terá músicas novas ( risos ). É isso mesmo?!

Jr. Carelli: Nós sempre tempos músicas novas porque nós sempre estamos compondo. Nós estamos montando algumas coisas para novembro / dezembro, mas ainda não tem nada 100% concreto, mas nós estamos planejando uma tour pós – Rock In Rio, e se tudo der certo, se as agendas de todos baterem, e possivelmente com novidades musicais.

Hard And Heavy: Como a banda tem administrado suas atividades, como planejamento, marketing, empresariamento, visto que a banda tem sido bastante ativa desde que foi fundada?!

Jr. Carelli: Sem dormir um segundo ( risos )! O coração empresarial da banda gira em torno de mim, do Fernando Quesada e do Thiago Bianchi, e é como eu digo nos meus workshops: você tem que tratar a sua banda como uma empresa. Se você trabalha em uma empresa você trabalha 8 horas por dia. Se você tem uma banda você tem que trabalhar 16 horas por dia, entende?! Você tem que mandar e – mails, fazer contato, ensaiar, bolar coisas novas. É uma empresa que precisa de vida. Nós temos carros – chefes e funções e deverias para cada um, e tem que cumprir.

Hard And Heavy: Quando o assunto é tecnologia, você é um músico bastante antenado, tendo divulgado recentemente algumas prévias de um instrumento chamado Motion Synth. Explique mais sobre isso…

Jr. Carelli: Têm dois Motion Synths bem legais que eu estou desenvolvendo. Um deles é um aplicativo que já existe e nós estamos bolando os aperfeiçoamentos e também as habilidades dele, e o outro é o Myo, que é um mouse, que controla o computador tipo minority report através de movimentos. Eu entrei em contato com a empresa para nós desenvolvermos um instrumento disso, e em parceria com o Myo nós estamos desenvolvendo o primeiro Motion Synth no Brasil. Ele ainda está em fase de desenvolvimento, e provavelmente para o Rock In Rio ele já vai estar pronto.

( Pensativo ) Mas tocar apenas mexendo o braço tentando abusar das tecnologias… Porque vai tomar no c* esses guitarristas que ficam lá na frente solando para caramba ( risos )! Eu sou um tecladista com esse trauma ( risos )!

Hard And Heavy: Além da Noturnall você têm outros projetos musicais, e mês passado você lançou no seu canal oficial no YouTube uma versão da banda norte – americana Sixx: A.M. ” Smile ”, com você mesmo cantando e tocando piano…

Jr. Carelli: Verdade. Além da parte tecnológica, timbres malucos e novos jeitos de tocar, a minha formação é em piano, eu gosto muito de tocar piano, então eu estou desenvolvendo algumas músicas, algumas versões. Eu tenho um projeto só voz e piano com coisas autorais e algumas músicas que eu gosto, então aos poucos eu vou soltando algumas coisas.

Hard And Heavy: Qual o seu processo de composição?!

Jr. Carelli: Eu gosto muito de insights. As vezes vem alguma coisa e eu aproveito aquele momento, mas eu gosto de pressão. Por exemplo: ” eu preciso disso para tal data ou eu preciso que você foque nisso para fazer tal coisa ”. Eu gosto da pressão de ter um deadline, entende?! E esse deadline me força a desenvolver um processo criativo e não só ficar esperando o processo criativo vir. Eu busco referências, eu busco inspirações mediante necessidades, não só esperando a inspiração bater.

Hard And Heavy: Visto que a Noturnall tem feito muitos shows, como você vê a cena Heavy Metal no Brasil?! Dias atrás foi anunciado o fim do Dr. Sin, e muito tem se especulado que um dos motivos foi a falta de estrutura que a cena tem dado, talvez desde sempre…

Jr. Carelli: Eu acho que não desde sempre, mas ultimamente muito pouco mesmo. Dizendo abertamente, mas sem citar nomes, nós tomamos calotes, inclusive calotes internacionais de promoters de shows.

Hard And Heavy: ( Interrompendo ) De promoters europeus?!

Jr. Carelli: Não, promoters da América Latina. A música em si está em um momento confuso, estão todos tentando administrar o que está acontecendo com o mercado, e nós somos um mercado de nicho, que infelizmente é pequeno. Os grandes estão sofrendo, imagine nós, entende?! Então nós temos que administrar isso, por isso nós tratamos a Noturnall como uma empresa para não deixar isso morrer.

É uma cena que está precisando de renovação de mercado. Se nós soubéssemos o que é isso, com certeza nós estaríamos fazendo, mas nós estamos agindo de uma forma que deixe fluir as coisas, porque é uma resposta que hoje ninguém tem.

Hard And Heavy: É o principal objetivo de qualquer banda se estabelecer no exterior, principalmente na Europa e até no Japão pela receptividade com o Brasil, que são mercados mais acessíveis que o mercado norte – americano. Como você vê esse objetivo?!

Jr. Carelli: É um objetivo que leva tempo. Ninguém chega lá, de repente explode sem muito dinheiro envolvido. Nós andamos com as próprias pernas, sem milhões para sair gastando por lá e até por aqui, então nós contamos muito com os fãs e com a maturidade da banda. É muito legar o respaldo europeu que nós estamos tendo, o respaldo asiático ainda é baixo, mas nós estamos lutando e trabalhando para fazer valer a pena esse respaldo japonês. Não adianta chegar lá sem força para se sustentar. Eu acho que o lance principal é estabelecer a marca, e isso vem com o tempo.

Hard And Heavy: É possível viver de Heavy Metal no Brasil?!

Jr. Carelli: É possível viver de música no Brasil. Se você é músico e se trata como músico, você vai viver disso no Brasil. Se você quer ser tratado como artista, depende de investimentos, não importa se você está dizendo de Pop ou de Heavy Metal. Eu acho que há uma grande diferença entre viver de música e ser um artista, que depende de dinheiro.

Fazer música é além de tocar em bares, fazer shows. Fazer músicas é tudo isso e especializar, estudar, dar aulas, workshops, é viver do showbusiness, e não exclusivamente dos shows ou do estrelato, entende?! Ser artista de Heavy Metal ou ser o Justin Bieber exige muito investimento, e além disso tem a aceitação do público, que mesmo com tudo isso pode não vir.

Ser artista de Heavy Metal?! Eu não conheço essa realidade. Viver de ser músico?! Eu vivo disso desde os 13 anos, então é possível.

 

Site Oficial: ww.noturnall.com

YouTube: www.youtube.com/watch?v=qIRzcTpgiXA

 

 

 

 

entrevistas